Ação #cidadãoconsciente mobiliza Praça XV

No Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, a Enzimas produziu um circuito com obstáculos que simulavam algumas das dificuldades vividas por pessoas com deficiência no dia a dia urbano. Instalada na Praça XV, a ação de conscientização foi uma realização do Governo do Estado, com apoio da ALERJ e Rio Solidário.

O circuito teve início em um cenário que simulava obstáculos encontrados pelos cadeirantes nas ruas de grandes cidades, como o Rio de Janeiro. Em uma cadeira de rodas, os participantes precisaram desviar de pedras soltas, entrar em um táxi ou acessar à estabelecimentos comerciais não adaptados. Em seguida, os participantes foram vendados e receberam uma bengala, sendo convidados a atravessar uma rua sem sinais de trânsito sonoros e desviar de andaimes, bueiros, etc. Após esta etapa, os participantes era convidados a usando um abafador auditivo, vivenciar situações que caracterizam os maiores desconfortos aos deficientes auditivos, como estabelecer a comunicação em diferentes guichês de atendimento pessoal.

A iniciativa contou com a participação da primeira dama do estado do Rio de Janeiro e presidente do Rio Solidario, Maria Lucia Horta Jardim, além de deputados e artistas, como o dançarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus e a bailarina Ana Botafogo. A hashtag #cidadãoconsciente foi compartilhada massivamente nas redes sociais, junto com fotos da ação.

No vídeo ao lado, confira os depoimentos de Beto Galindo, CEO de criação da Enzimas, e Gilberto Bacelar Jr., CEO de planejamento da agência, sobre o marketing de guerrilha em função de uma ação de conscientização.

O projeto teve grande repercussão na mídia espontânea em diferentes canais, como jornal O Globo, Extra, O Dia, JB Online, TV Brasil, Jornal Hoje, RJTV, Rádio Globo, site da EBC, ANTP, entre outros.

Além disso, o circuito Cidadão Consciente foi bastante premiado, ganhando ouro no Prêmio Colunistas Rio, na categoria “ação social ou comunitária” e bronze no Prêmio Caio, na categoria “evento de responsabilidade social”, ambos em 2016.