Comunicação em tempos de crise

Por Beto Galindo 

Crise política, crise econômica, crise de valores. Na verdade, para nós, do mercado de comunicação, isso veio mais como um tempero amargo. Vamos voltar no tempo. A nossa crise chegou antes. Lá atrás.

Os processos se modificando, o acesso direto à informação e fornecedores, redes sociais, as ferramentas e plataformas se tornando cada vez mais rápidas, mais completas e democráticas. Velocidade e transformação. O mundo digital varrendo o mundo como um tornado.

Não se engane comigo. Não estou assustado, nem nunca fui pessimista. Sou um otimista que acredita no seu caminho. Pode me chamar de camaleão.

Se as mudanças acontecem, adapte-se. E que seja a tempo. Há 10 anos atrás, eu, meu sócio e equipe, lançamos um novo olhar sobre a forma de comunicar.
Direta, criativa, acertiva. Sem rodeios. Falando nos olhos do consumidor. No consumidor certo, na hora e local adequados.

Aí você me pergunta: que veículo usar?
Eu respondo: Nenhum… Nenhum convencional.

Em vez de usar veículos, usar a imaginação e a estratégia como alavanca. Novas ferramentas. Novas abordagens.

Cada cliente um job,
Cada job um caminho,
Cada caminho um desafio.”

Parece difícil, né? E é. Muito. Mas funciona. Principalmente para o cliente. E custa muito menos.

Chame de guerrilha, de live marketing, buzz ou outra terminologia qualquer. Eu digo que é uma solução sob medida para cada objetivo de comunicação. Seja na rua, pendurado no ar, seja um video na rede, seja no mar.

Em tempos de crise, eu recomendo. Seja qual crise for.

Não tem contra indicações.
Não deforma, não tem cheiro, nem solta as tiras (risos).

Para entender melhor sobre marketing de guerrilha e a atuação da Enzimas em Ação no mercado, confira nossos cases aqui no site ou através de nossa página no Facebook.